Aço inoxidável

São denominados como aço inoxidável todos os tipos de aços que foram fundidos através de um processo especial, que possuem um alto grau de pureza e reagem de modo uniforme aos tratamentos térmicos previstos. Desta definição resulta que os aços inoxidáveis não se restringem a aços ligados ou de alta liga. Para considerações futuras, iremos limitar-nos aos aços inoxidáveis de alta liga com teor de cromo mínimo de 10,5%.

Classificação dos aços inoxidáveis de alta liga

De acordo com a sua estrutura os aços inoxidáveis de alta liga podem ser classificados nos seguintes grupos:

  • aços inoxidáveis ferríticos
  • aços inoxidáveis martensíticos
  • aços inoxidáveis austeníticos
  • aços inoxidáveis ferríticos-austeníticos (aços Duplex)

Aços inoxidáveis ferríticos

Por sua vez, os aços inoxidáveis ferríticos são subdivididos em dois grupos:

  • com aprox. 11 a 13% de cromo
  • com aprox. 17% de cromo (Cr)

Os aços cromados com 10,5 a 13% são denominados apenas de corrosão lenta, devido ao seu baixo teor de cromo. Eles são usados onde o que importa é a vida útil, a segurança e uma baixa necessidade de manutenção, relegando para segundo plano requisitos especiais em relação ao aspeto visual. Este é o caso, por ex., da construção de contentores, vagões e veículos.

Aços inoxidáveis martensíticos

Os aços inoxidáveis martensíticos com 12 a 18% Cr e teores de carbono acima de 0,1% são austeníticos em temperaturas acima de 950 - 1050 °C. O arrefecimento rápido (choque térmico) leva à formação de uma estrutura martensítica. Esta estrutura apresenta uma elevada resistência, especialmente após a têmpera, e que aumenta ainda mais com um teor de carbono crescente. Aços inoxidáveis martensíticos são usados, por exemplo, no fabrico de lâminas de barbear, facas e tesouras.

Aços inoxidáveis austeníticos

Os aços inoxidáveis austeníticos (ou: aços cromo-níquel) com teores de níquel acima de 8% são a combinação mais favorável para a aplicação prática do ponto de vista do processamento, resistência à corrosão e características mecânicas. A principal característica deste tipo de aço inoxidável é a sua elevada resistência à corrosão. Por este motivo, os aços inoxidáveis austeníticos são usados em áreas com ambientes agressivos, por exemplo, em contacto com água marinha contendo cloretos e na indústria química ou alimentar.

Aços inoxidáveis ferríticos-austeníticos

Devido aos seus dois componentes estruturais, os aços inoxidáveis austeníticos-ferríticos são muitas vezes chamados de aços duplex. A elevada maleabilidade aliada à melhoria simultânea da resistência à corrosão tornam estes aços especialmente adequados para aplicações em plataformas marítimas.

O lixamento de aços inoxidáveis

Muitos componentes de aço inoxidável são lixados no final do seu processo de fabrico. Na sua gama de produtos, a Klingspor oferece diversos abrasivos especialmente indicados para o processamento deste material. Mesmo assim, para o processamento do aço inoxidável devem ser observadas algumas particularidades típicas do material, por forma a obter um resultado satisfatório. O acabamento de superfície por parte da fábrica, ou seja, o material laminado, decapado e/ou com tratamento térmico posterior, deve ser escolhido de forma que a superfície inicial já corresponda o máximo possível à superfície final desejada. Para a resistência à corrosão de peças de aço inoxidável, deve certificar-se logo no processamento que o material é armazenado e transportado corretamente.

Em especial deve evitar-se o seguinte:

  • Todo o tipo de contacto com outros aços (escovas de aço, cabos de aço).
  • Danos em superfícies e arestas bem como locais de abrasão.
  • O armazenamento do material em áreas de processamento ou juntamente com outros aços (p.ex., aço laminado).

Em relação à resistência à corrosão aplica-se ainda: quanto mais fina for a superfície, tanto maior será a resistência à corrosão.

Lixamento

Existe uma quantidade de parâmetros que atuam na rugosidade e no aspeto da superfície lixada:

  • a retificadora e os seus elementos de contacto e os parâmetros de processamento correspondentes (velocidade de corte e de avanço)
  • A aplicação de produtos auxiliares para lixamento (óleos e emulsões)
  • A qualidade do abrasivo

Devido e estas condições marginais especificadas pelo processo abrasivo, não é possível fazer uma afirmação genérica sobre a relação entre a superfície obtida e o abrasivo usado. Para evitar mal-entendidos no acordo relativo à qualidade de superfície desejada, antes do processamento deverão ser definidos padrões limite e valores de rugosidade (Ra).

Lixamento e corrosão

Independentemente do aço inoxidável usado, no lixamento de aço inoxidável é obrigatório respeitar as medidas mencionadas a seguir:

  • Nunca aplicar as ferramentas abrasivas primeiro em aço normal e depois em aço inoxidável!
  • Remover sempre todo o pó de lixamento das superfícies!
  • Nunca projetar feixes de faíscas incandescentes sobre superfícies de aço inoxidável!
  • As temperaturas de processamento devem ser de tal forma baixas que evitem a formação de carbonetos de cromo e, assim, a corrosão intercristalina. Se o material apresentar manchas, será necessário reprocessar!

Só assim se pode assegurar que a camada passiva volta a formar-se nas zonas processadas e que as outras áreas não são danificadas por corrosão alveolar ou intercristalina.

Ir para informações sobre lixamento